Descubra o que é mobilidade social

Compartilhar:
Facebooktwittermail

Você já deve ter percebido que a nossa sociedade, assim como muitas outras, tem uma espécie de hierarquia. A chamada pirâmide social é dividida em classes e, quanto mais alta é a posição, maior é o padrão de vida. Nesse sentido, também vale conhecer o que é mobilidade social.

Afinal, é graças a esse conceito que nosso posicionamento na sociedade não é determinado quando nascemos. 

Inclusive, essa movimentação é afetada por algumas características importantes, como o estudo.

Para entender o cenário brasileiro e explorar o assunto, descubra o que é mobilidade social e como ela impacta as nossas vidas!

O que é mobilidade social?

Se a nossa posição pode mudar ao longo da vida ou das gerações, isso é possível graças à mobilidade social. 

Ela corresponde ao movimento de uma classe para outra e é feita por indivíduos ou famílias inteiras.

A mudança de classe social inclui o aumento (ou a diminuição) do padrão de vida e está relacionada a questões como emprego e renda. Dependendo das condições de um país, ela pode ser elástica ou rígida, o que indica a dificuldade de se mover na pirâmide.

É só o dinheiro que conta?

É normal achar que somente o dinheiro tem impacto na mobilidade social. Porém, ela também envolve fatores como o prestígio e a influência. 

Se um profissional informal consegue a carteira assinada em um bom emprego, podemos dizer que ele teve mobilidade social — mesmo que a diferença no padrão de vida não seja tão grande.

Estar em uma posição de maior destaque e que seja considerada mais importante pode caracterizar uma mudança de classe.

Quais são os tipos de mobilidade social?

O movimento entre as classes na nossa sociedade varia com o tipo de mobilidade. Por isso, vale a pena conhecer quais são as opções e como elas geram impactos na realidade das pessoas.

A seguir, descubra quais são os principais tipos e veja como eles funcionam!

Mobilidade horizontal

A mobilidade horizontal acontece “para os lados”, dentro de uma mesma classe. Quem passa por esse processo não passa a ocupar uma classe melhor ou pior, mas tem uma posição diferente.

É o caso de alguém que é promovido no trabalho. Considerando que o aumento na renda não causa tanto impacto no padrão de vida, a pessoa se mantém na classe. 

No entanto, ocupa um local diferenciado em relação aos demais — o que caracteriza a mobilidade.

Mobilidade vertical

Quando pensamos em o que é mobilidade social, o modelo vertical é o mais famoso. Ele consiste em um movimento de ascensão ou de queda dentro da estrutura da sociedade. 

Vamos ver dois exemplos!

Pense em uma pessoa que tinha um cargo simples e de baixa remuneração. Após obter um diploma, ela consegue uma posição melhor, de mais prestígio e com um salário bem maior. Então, moveu-se verticalmente para cima.

Agora, imagine um empreendedor milionário, que acaba perdendo seu dinheiro. Para sobreviver, precisa se tornar novamente o funcionário de uma empresa. Nesse caso, houve mobilidade social vertical para baixo.

Mobilidade intrageracional

A mobilidade intrageracional está associada ao que acontece dentro de uma mesma geração. Ou seja, ela envolve os movimentos que ocorrem (ou não) entre os indivíduos da mesma geração.

Considere um casal, em que ambos estão na mesma classe social. Em determinado momento, a mulher se capacita e, com o novo diploma, consegue uma promoção grande o bastante para mudar de classe. Por outro lado, o homem perde o emprego e, temporariamente, fica sem renda.

Então, ocorreram duas mobilidades. Se o homem conquistar um novo emprego, haverá mais uma.

Mobilidade intergeracional

Já a mobilidade social intergeracional é aquela que acontece de uma geração para outra. 

Está associada, principalmente, à relação que existe entre pais e filhos e a possíveis mudanças nas posições ocupadas.

Imagine uma mãe que é trabalhadora doméstica e que tem 4 filhos. Um deles consegue se tornar o primeiro membro da família a fazer faculdade. Após se formar, alcança um emprego de prestígio e ocupa uma classe diferente da mãe. Com isso, houve mobilidade intergeracional.

O contrário também pode acontecer. Basta pensar no filho de um empresário que detém uma fortuna. Se ele decidir trabalhar em uma empresa e receber um salário básico, houve essa mobilidade — ainda que temporariamente.

Mobilidade social - caminhos

Como é a mobilidade no Brasil?

Além de saber o que é mobilidade social, é fundamental entender como é o panorama no Brasil. Apesar de a nossa sociedade ser diversa e permitir esse movimento, ele acontece com menos frequência ou facilidade.

Na verdade, análises entre dezenas de países já colocaram o Brasil entre os lugares com menos mobilidade social. Isso significa que é mais difícil para alguém de uma classe baixa ascender socialmente. O movimento de queda também se torna menos provável.

A classe média é a que tem maior mobilidade — para cima e para baixo. Quem está nessa posição no Brasil, geralmente, alcança novas posições com menos dificuldade. No entanto, nem sempre a ascensão se mantém, pois crises podem levar à queda do padrão de vida.

O impacto da desigualdade de renda

O principal fator que afeta a mobilidade social do Brasil é a desigualdade de renda. A distribuição tão heterogênea também gera uma divisão inadequada entre as oportunidades disponíveis.

Os mais pobres, por exemplo, têm menos acesso a serviços de qualidade e isso impacta na saúde, na educação e no bem-estar. Por outro lado, os mais ricos conseguem aproveitar melhor a infraestrutura, desde serviços privados a maior segurança em suas moradias.

Em países com uma distribuição de renda melhor, a mobilidade não é tão difícil e as pessoas têm mais oportunidades. 

Com isso, o Brasil deve buscar maneiras de facilitar essa movimentação social.

Quais são os impactos da formação e carreira na mobilidade social?

Ao saber o que é mobilidade social, tem gente que acha que esse movimento depende da sorte (ou da falta dela, no caso descendente). No entanto, o esforço individual para acessar novas oportunidades faz toda a diferença.

Sabe qual é a melhor maneira de aumentar as suas chances de subir na pirâmide social? Por meio da capacitação! 

Com estudo, é possível traçar novos caminhos para a carreira e conseguir resultados melhores. Veja quais são os principais pontos positivos!

Maior empregabilidade

Com uma boa formação, seu currículo chamará a atenção dos recrutadores e levará a novas entrevistas de emprego. Principalmente, ter os conhecimentos certos é essencial para se encaixar em vagas e, assim, ampliar a sua empregabilidade.

Aumento do poder de negociação

Um profissional altamente qualificado, normalmente, tem maior poder de negociação com as empresas. Como você é até disputado pelos concorrentes, poderá conversar sobre salários e condições melhores — e que não ficam disponíveis para todos.

Ampliação dos ganhos

Poder ocupar cargos melhores e com mais responsabilidades aumenta o seu retorno financeiro. Por isso, ter a capacitação certa é um bom caminho para ampliar seu salário e melhorar seu padrão de vida.

Entendeu o que é mobilidade social?

Saber o que é mobilidade social é essencial para perceber a importância do estudo. 

Com a qualificação certa, você terá novas oportunidades e poderá alcançar outras classes na pirâmide social!

Já que o estudo é tão relevante, veja como as bolsas estudantis podem incentivar você a se formar!

Compartilhar:
Facebooktwittermail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *