Quero fazer faculdade mas não tenho dinheiro, o que faço?

Quero fazer faculdade mas não tenho dinheiro, o que faço?
Compartilhar:
Facebooktwittermail

Você quer fazer uma graduação, mas não tem dinheiro para pagar a faculdade? Essa é uma das dificuldades enfrentadas por muitos brasileiros que querem continuar seus estudos e cursar a faculdade.

Se esse é o seu caso, em primeiro lugar, avalie as suas chances de conseguir uma promoção no trabalho, caso não trabalhe, comece a procurar  um emprego com um salário melhor ou mesmo organizar o orçamento familiar para cortar algumas despesas.

É claro que nem sempre essas alternativas são possíveis, especialmente considerando o atual contexto econômico do país. Porém, isso não é motivo para desistir da faculdade, pois ainda assim você pode contar com programas de bolsa de estudos e algumas formas de financiamento para realizar esse sonho de fazer a sua graduação.

Confira as principais formas de como pagar a faculdade

Os programas federais e estadual ajudam diversos estudantes a conseguir entrar em uma Faculdade, confira quais são eles e avalie qual das alternativas você se encaixa.

ProUni

O ProUni é uma iniciativa federal que oferece bolsas de estudo integrais e parciais em instituições particulares de ensino superior para estudantes brasileiros de baixa renda.

Para participar da seleção das bolsas do ProUni, é preciso ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e ter atingido uma nota mínima de 450 pontos na prova, considerando a média das quatro áreas do conhecimento, e não ter zerado na redação.

O estudante pode escolher até dois cursos em uma ou mais faculdades cadastradas no programa, em duas modalidades de bolsa: 50% (necessário ter máximo de três salários mínimos per capita de renda familiar) ou 100% (necessário ter máximo de 1,5 salário mínimo per capita de renda familiar). Além disso, é necessário atender os seguintes pré-requisitos:

 Ser aluno de escola pública: ter cursado o ensino médio em escola da rede pública de ensino é um dos critérios estabelecidos pelo MEC. Mas, quem estudou em escola particular durante o ensino médio também pode participar, no entanto, nesse caso, só vale para quem foi bolsista integral.

• Ter feito Enem: o candidato também deve ter realizado a última edição da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Lembrando que a nota mínima para poder se candidatar a uma bolsa é de 450 pontos e não pode ter tirado zero na redação.

• Ser professor de escola pública: os professores da rede pública de ensino também podem concorrer a uma bolsa para cursos de licenciatura, normal superior e pedagogia. Nesse caso, não é necessária a comprovação de renda e deve estar no exercício do magistério, integrando o quadro permanente da instituição, além disso, é preciso ter realizado a última edição da prova do Enem e atender ao critério de pontuação mínima exigida pelo MEC.

• Pessoas com deficiência: nesse caso, ao realizar a matrícula na faculdade, o candidato deve levar os documentos de comprovação, junto com os demais comprovantes pessoais e do perfil socioeconômico.

Critério socioeconômico para participar do Prouni

A renda é mais um dos critérios do Prouni, além de ter de atender aos demais pontos, se a renda familiar do candidato for superior a três salários mínimos, não será permitida a participação no processo seletivo Prouni.

A renda familiar por pessoa é calculada somando-se a renda bruta dos componentes do grupo familiar e dividindo-se pelo número de pessoas que formam este grupo. Para se candidatar a uma bolsa de 100% (integral), o candidato deve ter uma renda familiar por pessoa de até 1 salário mínimo e meio. Já para pleitear uma bolsa de 50%, a renda apresentada deverá ser de até 3 salários mínimos. Além disso, o programa reserva algumas vagas destinadas aos cotistas. Saiba como funcionam as cotas do Prouni.

Complementação com o FIES

O estudante que for bolsista parcial 50% do Prouni e não tiver condições de arcar com a outra metade do valor das mensalidades, pode contar com o apoio do Fundo de Financiamento Estudantil (FIES), sem a necessidade de um fiador. Para isso, o estudante deve verificar com a Faculdade de ensino se ela tem parceria com o programa.

FIES

Para os estudantes que não conseguirem uma vaga no ProUni há também a opção de obter um empréstimo pelo Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies).

Fies é o financiamento estudantil do ensino superior em instituições privadas, criado pelo governo federal. Ele oferece juros menores para o custeio das mensalidades de estudantes ao longo do curso e o pagamento desse auxílio é feito apenas ao final da graduação.

Algumas mudanças aconteceram no Fies e se tornou o Novo Fies (te explico melhor ao longo do texto), a taxa efetiva de juros para estudantes que se enquadrem na Modalidade I (ou modalidade Fies) será zero; e, para estudantes que se enquadrem na Modalidade II e III (ou modalidade P-Fies), variará de acordo com o banco.

Podem recorrer ao programa estudantes matriculados e não matriculados em cursos superiores que tenham avaliação positiva nos processos conduzidos pelo Ministério da Educação (MEC) e atendam aos critérios socioeconômicos do programa. Além disso, a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) passou a ser critério de seleção do Fies, portanto, ter um bom desempenho no exame, colocará o candidato ainda mais próximo de conseguir o financiamento.

Condições de financiamento do Fies

Os estudantes beneficiários do financiamento estudantil contam com duas fases de condições para pagamento do Novo Fies, que começa com a contratação do financiamento e se estende até depois da conclusão do curso. Continue lendo e entenda como funciona:

1. Utilização – durante o curso o estudante deverá pagar mensalmente o valor referente ao encargo operacional fixado em contrato, esse valor varia de acordo com a porcentagem do valor financiado. Além disso, o seguro de vida também deve ser pago durante o financiamento.

2. Carência e amortização da dívida: com as novas regras do Fies, a partir de 2018 os estudantes não contam mais com o período de carência para iniciar o pagamento da dívida. Após finalizar o curso já dá inicio a fase de amortização.

Até 2017, depois que concluísse o curso, o estudante continuava pagando os juros por um período de um ano e meio, da mesma forma que pagava durante o período dos estudos, trimestralmente. Esse tempo era levado em consideração pelo programa como uma forma de equilíbrio financeiro por parte do estudante.

Agora o pagamento da dívida começa a partir do primeiro mês após a conclusão do curso, desde que o estudante possua renda – o pagamento será retido da fonte mensalmente. Caso o estudante não possua renda após a finalização do curso (período de amortização), o financiamento será quitado em prestações mensais equivalentes ao pagamento mínimo, na forma do regulamento. O MEC estima que o financiamento seja quitado em um período de 14 anos, considerando que a prestação respeitará a capacidade de pagamento do estudante.

Quem pode participar do Fies?

O aluno que tem interesse em contratar o FIES deve ter realizado a prova do Enem, a partir de 2010 e obtido uma pontuação mínima de 450 (quatrocentos e cinquenta) pontos, além de não ter zerado a redação (caso tenha zerado, não é possível participar).

O curso da instituição de ensino para qual o aluno pretende obter o financiamento deve ter também uma avaliação positiva pelo MEC.

Inscrição para o FIES

As inscrições para o FIES, abrem no início de cada semestre letivo e para se inscrever é necessário acessar o site do Sistema Informatizado do Fies e realizar quatro etapas que incluem desde o preenchimento dos dados pessoais do estudante, validação das informações na Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA) até a contratação do financiamento no banco escolhido pelo aluno.

Mas o que é o Novo Fies?

Para os contratos firmados a partir do primeiro semestre de 2018, o Fies trouxe grandes mudanças, entre as principais está a oferta de vagas a juro zero para estudantes mais carentes e a ampliação da capacidade de pessoas que podem ser contempladas com o financiamento, por meio da expansão da renda familiar bruta máxima que será de até cinco salários mínimos.

E quais as novas modalidades de contratação do Fies?

  • • Modalidade Fies I: nessa primeira modalidade o novo Fies irá ofertar vagas a juro zero aos estudantes com renda mensal familiar de até três salários mínimos.
  • • Modalidade Fies II: destinado aos estudantes com renda familiar mensal de até cinco salários mínimos das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste custeados com recursos dos Fundos Constitucionais e de Desenvolvimento. As taxas de juros irá variar de acordo com o banco.
  • • Modalidade Fies III: essa modalidade também é para estudantes com renda familiar mensal de até cinco salários mínimos, mas é destinada a todas as regiões do Brasil e será custeado com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). As taxas de juros irá variar de acordo com o banco.

P-Fies: o que é e como funciona?

  • Com o novo Fies o MEC dividiu o programa em três diferentes modalidades. A primeira (modalidade Fies) é um financiamento ofertado diretamente pelo governo ao estudante, tendo, por isso, um baixo custo, sendo ofertado a juros zero a candidatos com renda familiar de até três salários mínimos.
  • Já as modalidades dois e três formam a categoria do P-Fies. A concessão desse financiamento é ofertada pelas instituições financeiras, mas com recursos públicos. Por essa razão, são capazes de ofertar um financiamento mais barato que o mercado, porém mais caro que o da modalidade I. Confira na tabela abaixo as principais diferenças entre o Fies e o P-Fies.

Bolsa OVG

A bolsa da OVG é um Programa promovido pelo Governo de Goiás, e representa a oportunidade de realização de um curso superior para estudantes com dificuldades financeiras.

Como consigo a Bolsa da OVG?

Para ter acesso a essa bolsa de estudo os estudantes com renda bruta familiar de até seis salários mínimos podem pleitear a bolsa parcial. Neste caso, o aluno que obtiver média de até 6,9 no semestre anterior terá direito ao benefício no valor de até 300 reais; até 400 reais, caso tenha média entre 7 e 8,4; e até 500 reais, se conseguir média de no mínimo 8,5.

Já a bolsa integral contempla os universitários com renda bruta familiar de até três salários mínimos. Quem for selecionado num primeiro momento para a bolsa parcial, poderá participar da seleção para a bolsa integral e será remanejado, caso se enquadre nos critérios exigidos.

Vale lembrar que seleção de novos beneficiários acontece semestralmente. O universitário deve fazer a inscrição no período estabelecido pela OVG, observando Edital, preenchendo o formulário próprio e apresentando todos os documentos exigidos.

Existem algumas regras para o aluno participar do processo de seleção. Além do critério socioeconômico, o programa considera o desempenho acadêmico como critério importante para definição do valor do benefício. Para manter o benefício o aluno não pode ser reprovado em mais de uma disciplina por semestre.

Em contrapartida ao benefício, o estudante deverá prestar serviços em instituições governamentais ou não governamentais, com carga horária compatível com seus afazeres escolares e trabalho.

Infelizmente não é tão fácil conseguir as bolsas de estudo pelo governo, afinal a concorrência é muito grande. São muitos alunos que precisam dessa ajuda e concorrem as vagas. Foi pensando nisso que muitas faculdades desenvolveu bolsas de estudo e programas de parcelamento estudantil próprio, vamos conhecer quais são?

Bolsas e Créditos Estudantis

Mão na Roda

A Bolsa Mão na Roda  da Faculdade FAMA é ofertada semestralmente para dar aquela ajudinha quando a grana apertar, a bolsa é voltada para alunos VETERANOS regularmente matriculados na instituição, e que estejam em momento de dificuldades financeiras.

(Saiba mais sobre a bolsa Mão na Roda).

Com Você

COM VOCÊ é um programa de parcelamento estudantil da Faculdade FAMA criado para facilitar o pagamento das mensalidades do aluno. Ele possibilita que pague parte da mensalidade no período em que está estudando e, a outra parte no futuro sem juros e sem taxa de administração.

O parcelamento estudantil é feito em até 50% do valor da mensalidade. A inscrição é feita direto pelo site www.creduc.com.br/faculdadefama,  onde é possível anexar todos os documentos para análise e gerar o boleto para pagamento da adesão ao crédito.

(Saiba mais sobre o programa Com Você).

PRAVALER

O PRAVALER é um Programa de Crédito universitário gerido pela Ideal Invest, que permite ao universitário pagar o seu curso em parcelas mensais que não se acumulam. Cada parcela é composta por metade do valor da sua mensalidade e encargos.

Os juros desta modalidade de financiamento estudantil são bem menores do que os juros de cheque especial, cartão de crédito ou empréstimo pessoal em bancos. A contratação é feita pelo aluno a qualquer momento ao longo do semestre, porém as parcelas não se acumulam e não é preciso financiar o curso todo.

Para os cursos de graduação, você começa financiando no máximo um semestre. Se estiver gostando do curso e do PRAVALER, você pode até financiar o curso todo, recontratando a cada semestre. Para recontratar, basta manter o pagamento de suas parcelas em dia e atender aos pré-requisitos do programa.

Caso o aluno tenha mensalidades atrasadas é possível financia-las. O aluno tem a possibilidade de incluir até 02 mensalidades atrasadas, desde que elas sejam do semestre atual.

É necessário que o aluno siga algumas regras para essa contratação, confira os pré-requisitos abaixo:

  • Possuir fiador com renda a partir de um salário mínimo. Pode ser pai, mãe, amigo ou alguém próximo. Atenção: o seu garantidor não pode ter um contrato vigente com o PRAVALER ou ser garantidor de outro aluno do PRAVALER.
  • Comprovar renda mínima de 2,5 vezes o valor da mensalidade. A renda mínima pode ser composta pela renda do garantidor mais a sua renda, ou somente pela renda do garantidor, no caso de você não estar trabalhando ou não possuir renda própria.
  • Exemplo: se sua mensalidade for R$ 1.000,00 você deverá comprovar R$ 2.500,00.
  • Não ter restrições de crédito no SPC, SERASA e estar com o CPF regular, você e seu garantidor.
  • Você não pode financiar, ao mesmo tempo, graduação e pós-graduação. Seu garantidor não pode ter um contrato vigente com o PRAVALER.

Quero Bolsa

O Quero Bolsa também é um meio do aluno conseguir começar a sua graduação. O processo é simples, rápido e todo feito pela Internet, o que é melhor ainda. Afinal, estamos sempre conectados! Você escolhe uma bolsa disponível em alguma instituição parceira do programa e que se enquadre em seus objetivos e orçamento, adquire a pré-matrícula e já pode usufruir do percentual de desconto até o final de seu curso.

Para conseguir a bolsa no curso escolhido, o aluno não pode ter vinculo com a instituição antes da finalização do cadastro da bolsa.

Viu como é possível fazer graduação? Não deixe o seu sonho para trás com medo de não conseguir pagar a Faculdade. Existem várias as opções para você que vai fazer um curso de graduação na Faculdade Fama e não quer ou não pode comprometer seu orçamento.

Escolha a melhor alternativa, de acordo com o seu caso. O importante é não desistir de fazer o curso de graduação que você deseja! Conheça todos os cursos que a Faculdade FAMA oferece.

Compartilhar:
Facebooktwittermail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *